Powered by ZigaForm version 4.5
Central de Atendimento:
(11) 3080-1000 | (11) 2500-0500 | (11) 4020-0131

Portaria Remota Peter Graber

crianças

Como lidar com crianças em condomínios residenciais?

Autor: Comentários desativados em Como lidar com crianças em condomínios residenciais?

Todo mundo que convive com crianças em condomínios residenciais sabe que elas gostam de brincar, gritar, correr e se divertir. Se você mora em um residencial onde vivem muitas crianças, é bem provável que já tenha visto uma roda de brincadeiras não só nos locais de uso comum, mas também em áreas não convencionais dos prédios. Para alguns moradores isso pode ser sinal de alegria, para outros de incômodo, o que pode gerar conflitos, sobretudo para aqueles que não têm filhos.

Por isso, é responsabilidade dos pais determinar, conversar com os pequenos e fazê-los compreender que o condomínio é um lugar que demanda respeito pelo próximo. Este é um ótimo meio para impedir conflitos maiores.

Outra forma de participar ativamente sobre como as crianças irão brincar e se relacionar com o ambiente compartilhado, é integrá-las cada vez mais aos processos que fazem o condomínio funcionar. Além de também tornar as áreas direcionadas para elas mais atrativas e oferecer atividades diferenciadas com a participação de moradores de todas as idades. Se você quer aprender as melhores formas de tornar as brincadeiras e a diversão das crianças seguras e responsáveis, acompanhe esse texto até o final. Temos ótimas dicas para você!

Aprenda algumas dicas para divertir as crianças em condomínios residenciais sem incomodar os vizinhos

Por serem criadas em um espaço seguro e confortável para os pais, muitas crianças que moram em condomínios sentem que podem brincar a qualquer hora e em qualquer lugar. Porém, os pais precisam conscientizar os seus filhos sobre a importância de não incomodar as pessoas, e o respeito às regras e limites. Se você é pai, mãe ou responsável, eduque os pequenos para isso, pois a responsabilidade pelo comportamento de crianças em condomínios residenciais é sua. Este é o primeiro passo para um convívio harmonioso com os seus vizinhos.

Brincadeiras no apartamento

Nem sempre é possível deixar seus filhos saírem para brincar fora do apartamento, o que pode gerar reclamações dos vizinhos de baixo e acima. Uma dica interessante para os pais é usar um tapete emborrachado nos quartos ou onde as crianças costumam brincar mais. Ele diminui o atrito no chão e assim, abafa o barulho no andar abaixo. Carpetes e tapetes comuns também podem ajudar nessa função. Porém, é importante lembrar que mesmo com tapetes é preciso impedir que a criança faça barulho após às dez horas da noite.

Envolva e conscientize

Um jeito legal e divertido de lidar com a rebeldia de algumas crianças em condomínios residenciais e fazê-las entender sobre seus direitos e deveres enquanto moradores é a eleição de um síndico mirim. Este pequeno síndico ajudará no diálogo com as demais crianças, encontrando acordos e entendimentos com a organização do condomínio. Se você não for síndico(a), converse com ele(a) e peça para separar um espaço na agenda para convocar uma eleição. A escolha deste pequeno líder pode ser bastante divertida para as crianças, que criam uma brincadeira com campanha e eleição, além de ser bem simples de realizar. Basta convidar as crianças, levar canetas, papéis, e uma caixa para colocar os votos. A criança escolhida terá contato com o trabalho do síndico e com as dificuldades diárias do condomínio. Isso ajudará ela a conhecer e ter consciência das regras e da organização do residencial de uma maneira leve e divertida.

Crianças de férias

Pequenos acidentes e problemas com barulho costumam aumentar durante as férias escolares, já que as crianças estarão por mais tempo dentro do condomínio, muitas vezes confinadas no apartamento, esperando a volta dos pais do trabalho. Nesta época, cada residencial deve buscar maneiras de entreter as crianças. É possível expandir e equipar a área de lazer, ou usar o salão de festas no decorrer da semana para realizar jogos, oficinas ou atividades diversas, conduzidos pelos próprios jovens ou adolescentes do condomínio. Quando há espaços vazios, uma dica pode ser criar uma biblioteca e/ou brinquedoteca, com doações dos próprios moradores.

Durante as férias, fale com outros pais e responsáveis por crianças do condomínio para marcarem atividades em grupo, como horários na brinquedoteca e jogos na quadra, sempre observadas por um adulto. Outra alternativa cada vez mais frequente em condomínios é contratar profissionais de recreação ou escolinha de esportes para promover atividades para crianças em condomínios residenciais. Nesta época é interessante também os condomínios tornarem flexíveis regras muito rígidas, como proibir andar de bicicleta nas áreas comuns, por exemplo. Converse com o(a) síndico(a) sobre estas possibilidades.

Seja qual for a sua estratégia para entreter as suas crianças durante as férias, lembre-se: zeladores, porteiros e funcionários do condomínio não têm responsabilidade sobre as crianças. Os pais e responsáveis por elas devem responder pelas ações que descumpram  as normas internas do condomínio, além de estarem sujeitos às penalidades.

Segurança para as crianças em condomínios residenciais 

A melhor forma para deixar os pais tranquilos quando seus filhos brincam nos playgrounds e outras áreas comuns, é saber que o condomínio conta com um sistema de segurança confiável. Ter uma portaria eficiente, com circuitos de câmeras e alarmes, gera bem-estar e tranquilidade não só para as crianças em condomínios residenciais, mas para todos os moradores. Se você está procurando uma solução inovadora para segurança condominial, a Portaria Remota da Peter Graber aumenta o controle de quem entra e sai do residencial, e ainda diminui em até 60% os custos de funcionamento da portaria. Entre em contato com os nossos especialistas e faça a migração do seu condomínio para Portaria Remota da Peter Graber!

Gostosuras ou Travessuras? Dicas de segurança para o Halloween

Autor: Sem comentários

Entre as crianças a tradição de pedir doces é muito comum também, por isso é interessante que os adultos tomem algumas precauções para garantir sua segurança.

É cada vez mais comum a criançada sair no dia 31 de outubro (Dia das Bruxas ou Halloween) à procura de doces e diversão.

O que é o Halloween?

O Halloween é uma data muito comemorada nos Estados Unidos, cujo significado se refere à noite de 31 de Outubro. Acreditava-se que nesta data, os espíritos dos mortos regressavam para visitar as suas casas e também poderiam surgir assombrações para amaldiçoar os animais e as colheitas. Todos os símbolos utilizados pelos celtas tinham como objetivo afastar os maus espíritos. O

Atualmente é comum se ver fantasias de bruxas e abóboras com feições humanas iluminada através de uma vela acesa. Além disso, também é comum decorar as casas com objetos e temas assustadores, como caveiras, teias de aranha, mortos-vivos etc. Também há o costume de distribuir doces para as crianças fantasiadas durante as comemorações, brincadeira conhecida como “Gostosuras ou Travessuras”.

No Brasil (Dia das Bruxas)

Por aqui também se comemora o Halloween em festas particulares, mas não possui um significado e valor cultural tão forte como nos Estados Unidos.

Assistir filmes de terror (envolvendo bruxas, fantasmas e demais temas assustadores, por exemplo), ou participar de uma festa à fantasia acaba sendo as atividades mais apreciadas pelas pessoas durante a data.

Entre as crianças a tradição de pedir doces é muito comum também, por isso é interessante que os adultos tomem algumas precauções para garantir a segurança dos pequenos antes de deixá-los bater na porta de estranhos pedindo as guloseimas.

Halloween em segurança

Confira aqui algumas dicas que separamos para curtir a data com segurança sem deixar a diversão das crianças de lado:

  1. Será que vale a pena a sair de casa para participar de uma festa ou pedir doces? Uma opção é festejar em casa e chamar os amiguinhos do seu filho.
  2. Para os que vão sair de casa, um adulto por perto pode ser bom. Evite dar a responsabilidade (sem  supervisão) para um irmão mais velho, a carga pode ser grande demais e se alguma coisa sair fora do planejado pode ser desastroso.
  3. Nos condomínios costumam existir regras, peça para seus filhos respeitarem as normas na hora da brincadeira e não incomodar quem não quiser participar.
  4. Não deixe seu filho comer doces caseiros feitos por quem você não conhece.
  5. Garanta que os motoristas vão enxergar os pequenos colando fitas refletivas nas roupas e levando uma lanterna.
  6. Se a fantasia tiver acessórios como facas ou espadas, que sejam de materiais leves, macios e flexíveis, como o plástico, por exemplo.
  7. Procure roupas leves e confortáveis, mas que não sejam grandes demais para que as crianças não pisem ou tropecem.
  8. Se for usar maquiagem ou tintas para completar a fantasia teste antes de passar na criança para ter certeza que não causará uma alergia.

Sigam nossas dicas e curtam o Halloween participando das brincadeiras com seus filhos sem preocupações!

Como manter a segurança das crianças na escola?

Autor: Sem comentários

As crianças passam cada vez mais tempo na escola. Embora a incidência de acidentes graves seja menor do que no trânsito ou em casa, não dá para arriscar.

As crianças passam cada vez mais tempo na escola. Embora a incidência de acidentes graves seja menor do que no trânsito ou em casa, não dá para arriscar. O desafio a ser superado é estimular com segurança. Afinal, correr e brincar fazem parte do desenvolvimento.

Área externa

O lugar mais propício aos acidentes é o playground. Por isso, verifique se os equipamentos da escola do seu filho seguem as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas). Uma delas é a barreira de segurança em torno dos balanços. Elas servem para impedir que as crianças ao redor passem correndo e sejam atingidas pelos brinquedos em movimento. Outra medida importante diz respeito ao piso dos parquinhos e das quadras esportivas. Devem ser de areia fofa, grama ou emborrachado, para absorver o impacto.

Área interna

O espaço interno também precisa de adaptações. No caso dos menores, por exemplo, as cadeiras e as pias devem ter a altura adequada para garantir que as crianças se movimentem com autonomia e segurança. As escadas também podem oferecer riscos. O ideal é que até os 4 anos de idade, as crianças só andem dentro da escola acompanhadas por adultos. As janelas, assim como em casa, precisam de grades de proteção.

As medidas de segurança de casa, em geral, devem ser transferidas para a escola. Isso inclui também ensinar as crianças a respeitar os colegas, pois um empurrão de brincadeira pode causar um machucado grave, e a cuidar de si mesma. Noções e valores que, obviamente, são aprendidas com o tempo. Por isso, a supervisão de um adulto deve ser constante.

Mesmo com todos os cuidados, é impossível garantir que seu filho nunca vá voltar para casa com um arranhão. Por isso, outra característica importante é a qualidade dos primeiro-socorros. A escola deve ter pessoas treinadas para lidar com qualquer tipo de emergência, de engasgos a torções. Uma escola segura é um misto de adaptação, orientação e supervisão.